quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Sobre o Radialista Altamiro Viana. Parabéns! 10 de fevereiro - 79 anos de idade



Altamiro Viana da Silva, conhecido como Zé tiro-seco, brasileiro, baiano, ilheense, nascido no dia 10 de fevereiro de 1937 (FAZENDO NESTA 4ª FEIRA, DIA 10/02, 79 anos), Aquariano, vascaíno, apaixonado por filme de ação e guerra, católico, devoto de São Cosme e São Damião, foi casado por 44 anos com a sua companheira Sra. Hilda Leite da Silva (Falecida no dia 11/06/2011, às 05h da manhã, aos 74 anos de idade. D. Hilda faleceu em casa, vitima de consequências múltiplas).

Com D. Hilda tiveram dois filhos, Paulo Roberto Leite da Silva (Beto Leite), locutor da Morena FM, e Sandra Regina Leite da Silva, professora. Tem seis netos: Amanda, Fernanda, Paula, Letícia, Natalia e Paulo. Tem sido a alegria do vô coruja.

Altamiro criador de Zé-tiro-seco, o tipo caipira, roceiro, matuto ou mesmo tabaréu mais famoso do sul da Bahia. Antes do Rádio já foi comerciante na cidade de Ilhéus. Também trabalhou na loja Rosemblit, dos empresários Simon Rosemblit e do seu sócio Moisés Bohana de Oliveira, isso na década de 50.

Ainda jovem Altamiro Viana despertou para a locução. Começou a ter contato com o microfone justamente numa estação de alto-falante do antigo bairro Ponta da Pedra. Lá, iniciou os seus primeiros passos ao lado de Valdenir Andrade e mestre Zizinho do barco.

A partir daí foi um pulo direto para a Rádio Cultura de Ilhéus, pioneira no sul da Bahia. A emissora contratou o garoto Zé para ser operador. Como já tinha experiência no microfone, o menino franzino, meses depois, ganharia um programa que intitulou de Rádio Despertador. Começa a desenhar a trajetória do sucesso.

Com a chegada do seu maior amigo na radiofusão, Tony Neto, que sugeriu a Zé, e este, imediatamente aceitou, trocando o nome do programa para Na Fumaça do Gongo. A partir dai consolidou mais ainda o sucesso e audiência absoluta no horário. Fato inédito no rádio brasileiro: Mais de 40 anos em 1º lugar.

Zé tiro seco conviveu na época com grandes nomes da radiodifusão: Pititinga, Titio Brandão, Alfa Santos, Adocival Araújo, Evaldo Tabajara, Cleofás Santos, Edson Pereira, Edinho Nascimento, Jorge Oliveira, o próprio Valdenir Andrade e o seu compadre Jorge Raposo. Nos dias atuais Zé-tiro-seco faz questão de lembrar alguns dos seus amigos, reconhecendo a importância de comunicadores como Gil Gomes, Jota Carlos, Elival Vieira Saldanha, Raimundo Jackson, Lindinalva Santos, Vila Nova, Luke Rei, Toni Mattioli, Jeremias Santos, Fábio Roberto, Marcelo Alves, Demmys Dórea, Bira Madureira, Marinho Santos, Ciro Zatele, Malthez de Athayde, Edilson Guimarães, Edmundo Santos, Quinto de Souza, Zé Maria de Almeida, Ricardo Magalhães, Jarles Soares, Gerdan Rosário, Walter Machado, Fábio Roberto, Salomão Batista e, não se esquecendo de operadores de áudio como Roque Vieira, Sérgio Gordo, Vagner Lima, Catuta de Yolanda, Celso Nascimento, Walter Capacete e tantos outros com quem trabalhou.

Sempre cogitado por outras emissoras, Zé tiro seco nunca aceitou convites de outras rádios de fora. Nem mesmo a promessa de um bom salário e a interferência de um ex-prefeito conseguiu levá-lo para a Rádio Excelsior da Bahia. Muitas emissoras continuavam sondando Zé tiro seco, que preferiu continuar trabalhando em Ilhéus e morando na Av. Itabuna, Alto da Conquista, Princesa Isabel onde morou, e agora, no Alto do Pacheco, onde reside atualmente.

Para se ter uma ideia da audiência de Zé tiro seco, o mesmo fez uma façanha no dia 1º de abril de 1986, A título de brincadeira no dia da mentira, Zé avisava no programa da existência de uma baleia encalhada na praia Soares Lopes. Minutos depois, a praia estava cheia de pessoas querendo ver o tal cetáceo marinho. O fato foi noticiado até mesmo na capital do estado. Zé, a partir daí percebera a dimensão de sua audiência, de sua credibilidade. No final, tudo foi arrumado, e os ouvintes absorveram a brincadeira...

Esse é Zé tiro-seco, sertanejo arretado, rei do rádio regional do sul e extremo sul da Bahia. Caipira de destaque na radiodifusão, sempre levando a notícia do cotidiano, a alegria e o seu jeito modesto de fazer rádio. Exatamente a 40 anos em primeiro lugar nos lares e em todos os cantos da sede e distritos do município de Ilhéus.

Segundo o radialista e servidor público, Dino Rocha, existe no acervo da Uesc um vídeo intitulado “Cumpadi Zé Tiro Seco”, de autoria dos ex-alunos Telmo Figueiredo e Heuger Campos. “Iremos solicitar cópia desta gravação para que possamos distribuir entre a categoria de radialistas, bem como manter arquivado em nossa entidade”, afirma Dino.
Para o radialista e pastor, Pedro Oliveira, foi o próprio Altamiro Viana que deu vida à figura de Zé tiro seco. “Zé Tiro Seco não é um apelido, é um nome radiofônico”.  Segundo Zatele, na época, um dos craques do Colo Colo era José Cassimiro, de quem ele pegou o “Zé”. Como o locutor servia o Tiro de Guerra, acrescentou o “Tiro”. E, “seco”, foi porque era muito magro.

As passagens de Zé-tiro-seco nas Rádios Bahiana de Ilhéus e Santa Cruz, a partir de 2005, iniciou-se mais uma etapa de sua vida. Foram etapas de novos voos e desafios.

No último dia 29/01/2016, depois de quase seis décadas de serviços prestados a radiodifusão, definitivamente, Zé tiro seco abandona os microfones. Missão cumprida!
Feliz aniversário.

Obrigado por tudo.

Uma homenagem do Presidente do Sindicato dos Radialistas de Ilhéus, e companheiros do rádio.
ASCOM DO SINDICATO DOS RADIALISTAS


Nenhum comentário:

Postar um comentário